São Bento

São Bento nasceu em Núrsia – atual Norcia, cidade da Úmbria, Itália – por volta do ano 480. Tinha uma irmã gêmea que também abraçou a vida monástica, Santa Escolástica.

O livro II dos Diálogos de São Gregório Magno é a principal fonte para se conhecer a vida de São Bento. Esta obra foi redigida por volta de 593, com base em fatos narrados por monges que conviveram com São Bento e procura enaltecer a santidade do patriarca e legislador do monarquismo ocidental.

Segundo São Gregório, São Bento era filho de um nobre romano, tendo realizado os primeiros estudos na sua cidade natal. Mais tarde, foi enviado a Roma para estudar humanidades, mas, tendo se decepcionado com a decadência moral da cidade eterna, abandona logo a capital e se retira para Enfide (atual Affile). Ajudado por um monge da região chamado Romano, instalou-se numa gruta de difícil acesso, a fim de viver como eremita. Depois de três anos nesse lugar, dedicando-se à oração e ao sacrifício, foi descoberto por alguns pastores, que divulgaram a sua fama de santidade. A partir de então, foi visitado constantemente por pessoas que buscavam conselhos e direção espiritual.

 

É então eleito abade de um mosteiro em Vicovaro, no norte da Itália. Por causa do regime de vida exigente, os monges tentaram envenená-lo, mas, no momento em que dava a bênção sobre o alimento, saiu da taça que continha o vinho envenenado uma serpente e o cálice se fez em pedaços. Com isso, São Bento resolve deixar a comunidade e retornar à vida solitária, vivendo consigo mesmo.

Pouco depois, recebe grande quantidade de discípulos e funda doze pequenos mosteiros, sendo o de Subiaco o que ainda subsiste.  Em 529, por causa da inveja do sacerdote Florêncio, tem de se mudar para Montecassino, onde funda o mosteiro que viria a ser o epicentro da expansão do monarquismo beneditino. É nesse episódio que Florêncio lhe envia de presente um pão envenenado, mas Bento dá o pão a um corvo que todos os dias vinha comer de suas mãos e ordena à ave que o leve para longe, onde não pudesse ser encontrado. Durante a saída de Bento para Montecassino, Florêncio, sentindo-se vitorioso, saiu ao terraço de sua casa para ver a partida do monge. Entretanto, o terraço ruiu e Florêncio morreu. Um dos discípulos de Bento, Mauro, foi pedir ao mestre que retornasse, pois o inimigo havia morrido, mas Bento chorou pela morte de seu inimigo e também pela alegria de seu discípulo, a quem impôs uma penitência por regozijar-se pela morte do sacerdote.

 

Em Montecassino escreve a Santa Regra, que viria a ser a legislação monástica mais observada em toda a Idade Média. Morre em 21 de março de 547, tendo antes anunciado a alguns monges que iria morrer e seis dias antes mandado abrir sua sepultura. Sua irmã gêmea Escolástica havia falecido em 10 de fevereiro do mesmo ano.

As representações de São Bento geralmente mostram, junto com o santo, o livro da Regra, um cálice quebrado e um corvo com um pão na boca.

O Papa Paulo VI, em 1964, proclamou São Bento patrono da Europa, por ocasião da dedicação da Igreja Abacial de Montecassino, reconstruída após os bombardeios da II Guerra Mundial.  No dia 11 de Julho, data em que parte de suas relíquias foram trasladadas para a Abadia de Saint-Benoît-sur-Loire, na França, é comemorada a sua Solenidade e no dia 21 de março a Festa do seu trânsito.

MOSTEIRO DE SÃO BENTO DE BRASÍLIA
SHDB QL32, Conjunto 1, Bloco B - Lago Sul
Caixa Postal 7045
CEP 71645-970 - Brasília - DF
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Facebook
+55 (61) 3367-2949
mosteiro@msbento.org.br

 

CONTAS PARA DOAÇÃO
Banco do Brasil: Agência 2887-8, conta: 178186-3
Caixa Econômica Federal: Agência 2893, conta: 272-7, Op. 003
CNPJ do Mosteiro: 01.178.576/0001-06

 

Copyright © Mosteiro de São Bento de Brasília - DF